Ourém | Ricardo Monteiro quer criar a “Tesla” dos veículos de aventura na região

mediotejo.net

ABR 2021

O ouriense Ricardo Monteiro, 31 anos, é o líder de um dos primeiros projetos a instalar-se na StartUp Ourém. A empresa, ainda a ser estruturada, parte de uma nova visão do motociclismo e de outros veículos de aventura ligados às energias renováveis, que quer seguir o espírito da norte-americana “Tesla”.

A ambição parece desmedida, mas não é destituída de sentido. Ricardo Monteiro tem um currículo invejável na indústria de luxo automóvel, como a Aston Martin. Agora vai largar tudo e criar um negócio internacional na sua terra natal, trazendo consigo o conhecimento e a tecnologia.

Inaugurada em junho de 2019, a StartUp Ourém tem estado relativamente estagnada, em parte devido à pandemia. Somos assim atraídos quase que ao desconhecido para um dos primeiros projetos a ser incubados no espaço, uma empresa designada como de “veículos de aventura ecológicos”. Sem nome, e ainda sem material para mostrar, é uma pequena surpresa escondida dos olhares do público, mas já com um movimento empresarial em curso e um foco claro no mercado internacional.

O mentor do projeto é Ricardo Monteiro, natural de Urqueira, no concelho de Ourém, que há mais de uma década, pouco depois de se licenciar em engenharia automóvel no Instituto Politécnico de Leiria, se viu obrigado a emigrar. O destino: um mestrado intensivo em Oxford, no Reino Unido, a partir do qual conseguiu a oportunidade de uma vida: trabalhar na célebre Aston Martin, a marca conhecida pelos carros do James Bond.

“A minha especialidade é fazer carros de 1 milhão de euros”, começa por contar ao mediotejo.net. “Tive a sorte, ou o azar, do tipo de projetos em que estive envolvido”, refere, admitindo que foi sempre encontrando novos desafios a que não conseguiu dizer que não. O seu universo de especialização são, pois, os carros de luxo e de alta performance.

“A minha especialidade é fazer carros de 1 milhão de euros”

Entretanto mudou-se para a Alemanha, para outro construtor de topo, onde é gestor geral e chefe de projeto em carros desportivos.

Ricardo Monteiro estaria eventualmente no sítio certo na altura certa, mas, na época, confessa que não foi assim que viu a sua sorte. Sozinho, num país diferente, com uma língua diferente, fez o que tinha que fazer para seguir as suas ambições, mas o processo foi doloroso. Agora é, finalmente, tempo de voltar.
(...)